quarta-feira, 31 de março de 2010

Um Só Coração



Autoria: Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira
Escrita por: Maria Adelaide Amaral, Alcides Nogueira e Lucio Manfredi
Colaboração: Rodrigo Arantes do Amaral
Direção: Marcelo Travesso e Ulysses Cruz
Direção geral: Carlos Araújo
Direção de núcleo: Carlos Manga
Período de exibição: 06/01/2004 – 08/04/2004
Horário: 23h
Nº de capítulos: 55

Elenco:
Adriano Garib - Osório César (participação especial)
Amandha Lee - Moema
Ana Lúcia Torre - Sálua Schaim
Ana Paula Arósio - Yolanda Penteado
Ângelo Antonio - Madiano Mattei
Antonio Calloni - Assis Chateaubriand
Ariclê Perez - Madame Claire (participação especial)
Baby de Almeida (participação especial)
Betty Gofman - Anita Malfatti
Brígida Menegatti - Tonia Carrero jovem (participação especial)
Carlos Bernardo C. Ferreira - Getúlio Vargas (participação especial)
Carlos Sato - Kazuo Fujihara
Carlos Vereza - David Rosenberg
Cássia Kiss - Guiomar Penteado
Cássio Gabus Mendes - Juvenal Penteado
Cássio Scapin - Alberto Santos-Dumont
Celso Frateschi - Ernesto da Silva
César Ladeira (participação especial)
Charles Myara - Raul Bopp (participação especial)
Chica Xavier - Isolina
Christiana Guinle - Gigi Guinle
Claudio Fontana - Jayme Penteado
Daniel de Oliveira - Bernardo Sousa Borba
Daniela Escobar - Soledad
Débora Falabella - Rachel Rosenberg
Dira Paes - Magnólia Cavalcanti
Edson Celulari - Francisco Matarazzo Sobrinho (Ciccillo)
Eliane Giardini - Tarsila do Amaral
Elias Gleiser - padre
Emiliano Queiroz - pai de Tarsila
Eric Nowinski - Ronald de Carvalho (participação especial)
Erik Marmo - Martim Paes de Almeida
Eva Wilma - participação especial
Fernanda Paes Leme - Elisa Furtado
Fernanda Souza - Dulce do Amaral
Fernanda Torres - participação especial
Gabriela Hess - Guiomarita Penteado
Gilles Gwizdec - Pierre
Gloria Menezes - Camila Matarazzo
Guiomar Novaes (participação especial)
Helio Behring - Carlos de Campos (participação especial)
Helena Ranaldi - Lídia Rosenberg
Herson Capri - Fernão Queiroz Chaves
Igor Adamovich - João Cândido Sousa Borba, Candinho
Irwing São Paulo - Geraldo Ferraz (participação especial)
Isabela Cunha - Úrsula Schmidt da Silva (Ucha)
Jonathan Nogueira - Paulo Autran, jovem (participação especial)
José Augusto Branco - Dr. Araújo
José Rubens Chachá - Oswald de Andrade
Júlia Feldens - Maria Laura Sousa Borba
Juliana Lohman - Antonia
Juliano Righetto - Waldemar Belisário
Leandra Leal - Úrsula Schmidt da Silva (Ucha)
Leonardo Torloni - Antonio Camargo
Leopoldo Pacheco - Samir Schaim
Letícia Sabatella - Maria Luísa Sousa Borba
Lu Grimaldi - Frida Schmidt da Silva
Luca de Castro - Thiers Galvão de França, pai de Pagu (participação especial)
Lucas Maia - Oswald de Andrade Filho (Nonê)
Luiz Damasceno - Monteiro Lobato (participação especial)
Luiza de Oliveira Junqueira (participação especial)
Magda Gomes - Maria José
Marcello Anthony - Rodolfo Sousa Borba
Marcelo Torreão - Heitor Villa-Lobos (participação especial)
Marcelo Várzea - Guilherme de Almeida
Marcia Fialho - Adélia Rehder Galvão, mãe de Pagu (participação especial)
Marco Pigossi - Dráusio Marcondes de Sousa
Marcos Daud - Oswaldo Aranha (participação especial)
Marcos Winter - Luiz Martins (participação especial)
Maria Eduarda Manga - Maria Laura Sousa Borba
Maria Fernanda Cândido - Ana Schmidt da Silva
Maria Martins (participação especial)
Mauro Mendonça - Coronel Bento Carvalho (participação especial)
Max Fercondini - João Cândido Sousa Borba (Candinho)
Mika Lins - Elvira
Mila Moreira - Lola Flores
Miriam Freeland - Patrícia Galvão (Pagu)
Miwa Yanagizawa - Harumi Fujihara
Murilo Rosa - Frederico Schmidt da Silva
Nina Morena - Odila Penteado
Nizo Netto - Camilo
Pascoal da Conceição - Mário de Andrade
Paula Hunter - Gilda Arantes
Paulo Autran (participação especial)
Paulo Carvalho - Alcântara Machado (participação especial)
Paulo Goulart - Avelino
Paulo José - Doutor Varela
Pedro Paulo Rangel - Senador Freitas Valle
Raimundo Cavalcanti
Ranieri Gonzales - Menotti Del Picchia
Renata Sayuri - Rita Fujihara
Renato Scarpin - Joaquim Ferreira dos Santos
Rodrigo Penna - Euclydes Miragaia
Roger da Silva Aires – Juvenalzinho (participação especial)
Rudá de Andrade - filho de Oswald e Pagu (participação especial)
Ruy Resende - Blaise Cendras (participação especial)
Selma Egrei - Olívia Guedes Penteado
Sérgio Viotti - Samuel Rosenberg
Stepan Nercessian - Ibrahim Nobre (participação especial)
Tamara Ribeiro - Érica Schmidt da Silva
Tarcísio Meira - Coronel Totonho Sousa Borba
Tato Gabus - Paulo Prado
Tenente Cabanas (participação especial)
Thadeu Torres - Frederico Schmidt da Silva
Theodoro Cochrane - Mario Martins
Thiago Oliveira - Alfredinho (participação especial)
Tonia Carrero (participação especial)
Tony Correa - Miguel
Tuna Duek - Marinette Prado
Vicentini Gomes - Graça Aranha (participação especial)
Vinicius Marques - Di Cavalcanti (participação especial)
Viviane Araujo - Escolástica/Eglantine
Yoná Magalhães - mãe de Tarsila

A Trama:
- Um só coração foi uma homenagem da Rede Globo aos 450 anos de São Paulo. A trama se passa entre 1922 e 1954, período em que a cidade se torna um grande centro econômico e cultural do país. A Semana de Arte Moderna, em 1922, a Revolução de 1924, a crise de 1929, a Revolução de 1932, a Era Vargas, os ecos do nazismo e do fascismo: esse é o contexto histórico da narrativa. Personagens reais e fictícios vivem histórias de amor, amizade, luta e conquista.
- A personagem central da minissérie é Yolanda Penteado (Ana Paula Arósio). Jovem de família tradicional da alta sociedade paulista, dominada pela conservadora elite do café, Yolanda é uma mulher bela, corajosa e inteligente, admiradora das artes, que desperta paixão por onde passa, mas não se envolve facilmente com nenhum pretendente. Isso muda quando ela conhece Martim (Erik Marmo), jovem estudante de medicina envolvido com o movimento anarquista. Yolanda encanta-se com a beleza e simpatia do tímido rapaz. Ao contar sobre o romance para sua mãe, Guiomar (Cássia Kiss), é duramente criticada. Ela não aceita que a filha se envolva com um simpatizante do movimento anarquista e espera que Yolanda realize o desejo de seu pai, já falecido, de se casar com o primo Fernão (Herson Capri).
- Yolanda não leva as ameaças da mãe a sério e só pensa em ser feliz ao lado de Martim. Ele, por sua vez, se mostra inseguro com a diferença social que existe entre os dois. Um dia, Fernão aparece em sua casa depois de uma temporada viajando pela Europa. Ele diz à prima que veio para ficar e pede sua mão em casamento. Yolanda planeja fugir com Martim, mas, por desencontros, ele acaba partindo sozinho, acreditando que ela desistiu de ir para o Rio de Janeiro com ele. Decepcionada, Yolanda decide se casar com Fernão. Apesar de amar Martim, ela faz tudo para ser feliz ao lado do marido.
- No decorrer da trama, Yolanda descobre que é traída por Fernão com sua melhor amiga, Elisa (Fernanda Paes Leme). Ela decide, então, pedir o divórcio, chocando a sociedade paulista. Yolanda decide procurar Martim, a quem não esqueceu, mas descobre que ele está casado com Gilda (Paula Hunter). Martim se formou em medicina e se casou com a filha de Dr. Varela (Paulo José), conceituado médico carioca, que sempre o ajudou. Novamente, Martim e Yolanda não conseguem ficar juntos.
- Além dos desencontros amorosos, Yolanda passa a enfrentar dificuldades financeiras, provocadas pela quebra da bolsa de Nova Iorque, em 1929. Para tentar ajudar sua família a sair da crise, ela procura Francisco Matarazzo Sobrinho (Edson Celulari), homem culto e poderoso, pertencente à família proprietária do maior parque industrial de São Paulo. Ceccillo, como é conhecido, se apaixona por Yolanda, e os dois acabam se envolvendo. Ela também fica fascinada pelo charme de Ceccillo. Ousados e amantes das artes, Yolanda e Ceccillo descobrem ter inúmeras afinidades. Ela revela sua paixão por Martim, e ele, o caso que mantém com a espanhola Soledad (Daniela Escobar), uma mulher solitária que vem ao Brasil com uma companhia de dança e se apaixona por Ceccillo. A relação de Yolanda e Ceccillo é baseada na franqueza e admiração que sentem um pelo outro.
- Em paralelo à trama de Yolanda Penteado e Ceccillo Matarazzo, há a história da família Sousa Borba, através da qual a minissérie retrata as transformações da vida social e econômica de São Paulo entre os anos de 1920 a 1950. O coronel Totonho Souza Borba (Tarcísio Meira), viúvo, proprietário rural pertencente à elite cafeeira paulista, criou os cinco filhos sozinho: Rodolfo (Marcello Antony), Bernardo (Daniel de Oliveira), Maria Luisa (Letícia Sabatella), João Cândido (Igor Adamovich / Max Fercondini) e Maria Laura (Maria Eduarda Manga / Julia Feldens). Totonho é um homem de idéias conservadoras, muito preconceituoso e rígido. A relação com os filhos torna-se insustentável quando Bernardo demonstra simpatia ao movimento anarquista e Maria Luisa se apaixona por Madiano (Ângelo Antônio), um pintor pobre. Totonho mantém uma boa relação apenas com o filho mais velho, Rodolfo, um mau-caráter.
- Outra personagem importante na história é Ana Schmidt (Maria Fernanda Cândido), jovem humilde, filha do anarquista Ernesto (Celso Frateschi) e de Frida (Lu Grimaldi). Para complementar a renda e ajudar nas despesas da família, Ana também trabalha como modelo vivo. Ao ver seu pai ser preso durante uma manifestação, Ana pede ajuda ao poderoso coronel Totonho para tirá-lo da prisão. Ele aceita ajudá-la caso a moça trabalhe em sua casa como governanta. Para saudar a dívida com a família Souza Borba, ela aceita. A real intenção do coronel é que a bela jovem seduza seu filho, Bernardo. No entanto, ela passa a ser assediada por Rodolfo, a quem rejeita. Ela é apaixonada por Joaquim (Renato Scarpin).
- A crise mundial gerada pela quebra da bolsa de Nova York também atinge os negócios de Totonho. O coronel acaba perdendo seus bens e, sem condições de superar os problemas financeiros, se suicida. Os filhos herdam apenas a casa onde moravam, em Campos Elíseos, que fica sob responsabilidade de Rodolfo. A casa se transforma em um bordel, comandado por Madame Claire (Ariclê Perez). Anos depois, o local vira uma pensão, que vai abrigar outros personagens importantes da história: Lídia (Helena Ranaldi), sua filha Rachel (Débora Falabella) e seu sogro Samuel (Sérgio Viotti), entre outros. Perseguida por ser judia, Lídia deixa Berlim durante a Segunda Guerra Mundial, quando sabe da morte de seu marido David (Carlos Vereza). Porém, a notícia de que ficara viúva era falsa e, sem saber, Lídia constrói uma nova vida no Brasil. Através desse núcleo de personagens, os autores abordaram o drama dos judeus que deixaram suas terras de origem fugindo da perseguição nazista.
- No final dos anos de 1940, a pensão se transforma em um cortiço dos nordestinos que trabalham na construção de São Paulo. Nesse período, a cidade sofreu um intenso processo de urbanização. Em tramas paralelas, a minissérie narra a história de imigrantes que vieram para São Paulo, representados, por exemplo, pelos portugueses Avelino (Paulo Goulart) e sua família; pelos libaneses Samir (Leopoldo Pacheco) e sua mãe Sálua (Ana Lúcia Torre); e pelos japoneses da família Fujihara.
- Todas as tramas de Um só coração são desenvolvidas sob o ponto de vista cultural, procurando mostrar como os movimentos artísticos tiveram papel decisivo no desenvolvimento da cidade. A minissérie retrata a vida de Anita Malfatti (Betty Gofman), Oswald de Andrade (José Rubens Chachá), Mário de Andrade (Pascoal da Conceição), Menotti Del Picchia (Ranieri Gonzáles) e Tarsila do Amaral (Eliane Giardini), que difundiam o ideal Modernista. No primeiro capítulo da história, Oswald e Mário de Andrade planejam a Semana de Arte Moderna, que escandalizou a sociedade paulista da época. Entre os ferrenhos críticos àqueles artistas, estava Monteiro Lobato. A Semana de Arte Moderna, no Teatro Municipal de São Paulo, foi alvo de aplausos, mas também de vaias e muita polêmica. Toda essa repercussão é retratada pela minissérie, que ainda revela aspectos da vida pessoal dos artistas envolvidos no movimento.
- O romance de Tarsila do Amaral e Oswald de Andrade também foi retratado na minissérie. O casamento dos dois teve forte influência na criatividade de Tarsila. Além disso, no período em que estiveram juntos, foram produzidos o Manifesto da Poesia Pau-Brasil e o Manifesto Antropológico. Mas Oswald decide se separar de Tarsila quando conhece Pagu (Miriam Freeland), uma jovem que causa frisson entre os modernistas devido à personalidade avançada para a época. Sempre com um forte batom vermelho nos lábios e fumando em público, Pagu encanta Oswald de Andrade e tem um filho com ele, Rudá. Tarsila, por sua vez, se apaixona pelo jovem Luís Martins (Marcos Winter). Os dois vivem um bonito romance até que ele conhece outra mulher e a deixa.
- Ao final da minissérie, Yolanda e Ceccillo decidem se separar, após muitos anos de uma relação de carinho e companheirismo. Eles organizam uma grande festa para comunicar a decisão. O casal deixou grande legado cultural para a cidade e ficou conhecido como os mecenas dos modernistas. Foram os responsáveis pela fundação do Museu de Arte Moderna (MAM), em 1948, e organizaram, em 1951, a Bienal de São Paulo, entre outros empreendimentos. Graças aos bons contatos internacionais, Yolanda e Ceccillo conseguiram trazer para a II Bienal de São Paulo, entre outras grandes obras, a tela Guernica, de Pablo Picasso. No último capítulo da minissérie, quando São Paulo festeja seus 400 anos, Yolanda e Ceccillo se emocionam diante da obra do pintor espanhol.
- Durante a grande festa, Yolanda e Ceccillo, alegres, comunicam aos convidados que vão se separar. Em seguida, Yolanda vai ao encontro de Martim, seu grande amor. Antes de deixar a recepção, ela diz para Ceccillo se casar com sua espanhola.
- Outros personagens importantes na trama são Juvenal (Cássio Gabus Mendes), Jayme (Cláudio Fontana) e Guiomarita (Gabriela Hess), irmãos de Yolanda; Santos Dummont (Cássio Scapin) e Assis Chateaubriand (Antonio Calloni), ambos admiradores de Yolanda. Chatô, como era conhecido, tornou-se grande amigo dela e foi um dos grandes colaboradores no projeto da Bienal de São Paulo.

Produção:
- A minissérie reproduziu, pela primeira vez na televisão, a exposição que marcou época: a Semana de Arte Moderna, de 1922. A equipe de produção de arte recriou no Teatro Municipal de São Paulo algumas das obras expostas na ocasião, como Pietá e Cabeça de Cristo, de Brecheret, O homem amarelo e A mulher de cabelos verdes, de Anita Malfatti, e Mulher com chapéu, de Di Cavalcanti. Os artistas responsáveis pela criação foram Eduardo Velásquez, Maria Lúcia Soares de Mattos, Rafael Kuwer, Joas Pereira dos Passos e Fidel Ramos.
- Para as cenas que reproduziam a Semana de Arte Moderna no Teatro Municipal de São Paulo, a equipe gravou durante quatro dias e três noites seguidas, com uma média de 300 figurantes. Os autores Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral estiveram no primeiro dia de gravação, vestindo-se com figurinos de época, como personagens da sociedade paulista.
- Além da dedicação à reprodução da Semana de Arte Moderna, a equipe teve trabalho para caracterizar a cidade de São Paulo dos anos 1920 até os anos 1950. A minissérie teve cenas gravadas em São Paulo, Santos, Campinas, Bananal e em Rio das Flores, no interior do Rio de Janeiro. Durante duas semanas, a equipe movimentou as ruas do centro histórico de Santos, atraindo a atenção de moradores e curiosos. O local ganhou ares da época com anúncios de sabonete e ofertas de emprego colados nas paredes e fachadas de casas e lojas. Algumas construções atuais foram disfarçadas com revestimentos. Além disso, as portas e janelas ganharam toldos como os que eram usados à época. Entre outras cenas, ali foram gravadas as seqüências da Revolução de 1924. Explosões e tumulto fizeram parte dessas cenas, que reproduziam os momentos de pânico e fuga da população paulista, em meio ao fogo cruzado do Exército.
- A minissérie também teve cenas gravadas nos estúdios do Projac, em Jacarepaguá, Rio de Janeiro. A cidade cenográfica projetada para a minissérie reproduzia as calmas ruas de São Paulo dos anos de 1920. O grande desafio da equipe de cenografia era o ambiente interno, com móveis e objetos de decoração específicos da época. Para isso, foi feita uma grande pesquisa e garimpo nos Antiquários do Rio de Janeiro e São Paulo. Alguns móveis como camas e mesas de jantar foram construídos especialmente para a produção.
- Um só coração lançou mão da plotagem em suas cenas. O interior de algumas lojas da cidade cenográfica eram resultado de efeito fotográfico, com auxílio de computadores.
- O figurino também mereceu cuidados especiais. Para a personagem Tarsila do Amaral, por exemplo, foi desenvolvida uma linha de tecidos especiais, pintados à mão, com inspiração no cubismo. Já Anita Malfatti tinha um figurino mais soturno, com roupas de tons escuros e sóbrios. A moderna Yolanda Penteado era fã do estilista francês Jean Patou, especialista em roupas esportivas que valorizavam o corpo da mulher, mas lhe davam liberdade. Com essa informação, a equipe desenhou um figurino clean e muito elegante para a personagem.
- Os cabelos da maioria das mulheres eram curtos, uma tendência da época. As mulheres mais tradicionais e conservadoras optavam por manter os cabelos longos, normalmente preso por coques. Para caracterizar a passagem de tempo, Yolanda Penteado, personagem de Ana Paula Arósio, aparecia de franja no início da história, bem jovial, depois, sem a franja e, mais velha, com os cabelos mais curtos e um ar mais despojado. Para a caracterização masculina, os cabelos eram marcados por nucas mais curtas, fio reto na parte superior e costeletas normais. Quando passa o tempo, as têmporas estão raspadas e os cabelos puxados para trás. Destaque para a caracterização dos personagens reais: Pascoal da Conceição e Cássio Scapin, por exemplo, estavam idênticos a Mário de Andrade e Santos Dumont, seus personagens na história.

Curiosidades:
- A Rede Globo, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo, a Secretaria de Estado da Cultura e o Memorial do Imigrante, lançou o Circuito Cultural “Um Só Coração”, no Memorial do Imigrante, em São Paulo. Entre 07/12/2003 e 30/04/2004, o público pôde ver a exposição de fotografias e de objetos de diversos povos imigrantes, que foram retratados pela minissérie. O circuito contou, ainda, com apresentação de danças típicas e festival gastronômico.
- O capítulo de estréia foi especial, tendo o dobro do tempo normal de duração.
- A atriz Gabriela Hess, que interpretava Guiomarita Penteado, é bisneta de Yolanda Penteado na vida real. Em determinado momento da história, a personagem de Gabriela dá à luz Antonieta Penteado da Silva Prado Cintra, sua tia avó.
- Fernanda Torres e Fernanda Montenegro fizeram uma participação especial no último capítulo da minissérie. Em cena, Fernanda Montenegro apresentava Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha, para a filha. Cleide Yáconis e Eva Wilma também participaram do último capítulo da história, como elas mesmas. As atrizes estavam entre os convidados da festa de Yolanda e Ceccillo Matarazzo.

Trilha sonora:
- A trilha sonora de Um só coração era romântica e clássica. A música de abertura era uma adaptação da Sinfonia nº 5, de Tchaikovsky: Ária paulistana, com letra de Aldir Blanc. Esse também era o tema de Yolanda e Martim.


Fonte: Memória Globo

0 comentários: